Close

3 de outubro de 2017

Pequeno guia para organizar o controle de estoque

Organizar o controle de estoque é um desafio para você? Encontrar meios para facilitar esse processo é uma preocupação e necessidade de muitos. Afinal, estoque é sinônimo de dinheiro e pode determinar o sucesso ou não de um empreendimento.

Por essa razão, desenvolvemos esse pequeno guia para te ajudar a organizar e gerenciar seu estoque, reduzindo perdas e aumentando a lucratividade de sua empresa. Continue a leitura e saiba mais!

A importância do controle de estoque

Estabelecer um sistema de gestão de estoque é ter responsabilidade com os recursos da empresa, garantir sua viabilidade e até proporcionar condições para um crescimento sustentável. Vale mencionar que organizar o controle de estoque:

  • Elimina gastos desnecessários;
  • Evita a perda de materiais e recursos;
  • Permite acordos comerciais mais interessantes;
  • Garante o bom desempenho da empresa e a satisfação do consumidor.

Guia para controlar o estoque

Fazer o controle de estoque realmente não é tarefa simples, mas seguindo os passos do nosso guia, você vai alcançar bons resultados. Acompanhe:

  • Conheça seu negócio – identifique a rotatividade de materiais e sua necessidade na rotina de trabalho ou prestação de serviço, bem como a demanda do consumidor;
  • Otimize o espaço – faça uma avaliação do espaço usado para o estoque. Considere organizar o posicionamento dos produtos de acordo com sua demanda, facilitando todo o fluxo e armazenagem;
  • Crie regras de organização do estoque – estabeleça procedimentos, normas e padrões desde a limpeza do local, passando pela forma de armazenagem, até os horários para movimentações de entradas e saídas;
  • Defina os processos e responsáveis – é preciso determinar como cada tarefa de organização do estoque será feita e definir os responsáveis. Seja para a realização de inventário, a atualização de informações, o acompanhamento do fluxo no estoque, etc;

  • Capacite sua equipe – para o sucesso da operação, é fundamental que a equipe esteja preparada para cumprir suas tarefas para a organização do estoque, bem como entenda a importância do processo para a empresa;
  • Determine métodos de controle – é importante que sejam definidos métodos para verificar a realização e o sucesso de cada uma das tarefas relativas ao estoque, garantindo que não haja falhas;
  • Registre o fluxo de estoque – mais do que saber quais os materiais ou produtos mais necessários em cada período, é preciso registrar o fluxo de estoque para embasar o processo de tomada de decisões (compras e reposições) e otimizar as finanças;
  • Identifique quantidades – a partir da análise do fluxo, é possível determinar quantidades mínimas e máximas necessárias de cada produto ou material do estoque, evitando desperdícios ou faltas;
  • Determine os períodos ideais para a compra – variáveis podem afetar o valor de compra de um produto, sua necessidade e o poder de compra da empresa. Por isso, é importante fazer um planejamento e encontrar melhores preços e períodos, favorecendo o equilíbrio financeiro;
  • Faça um cadastro dos fornecedores – manter esse cadastro atualizado facilita a busca por alternativas, controle de qualidade e cumprimento de prazos e estabelecimento de acordos comerciais entre as partes envolvidas.

Como otimizar o processo

Com as dez etapas anteriores, você deve ter chegado à conclusão que gerenciar o estoque dá trabalho, certo? Nem tanto, desde que você tenha as ferramentas certas para automatizar e otimizar o trabalho.

Nessa conta, entram os sistemas de gestão on-line, que permitem acelerar os processos por meio da automação. Mas, se você quer ainda mais agilidade e eficiência, é preciso ir além e contar com um sistema capaz de aprender com as atividades do estoque da sua empresa e prever tendências e comportamentos.

É o caso de sistemas baseados em machine learning. Confrontando dados de entrada, movimentação e saída de produtos do estoque, a ferramenta auxilia na tomada de decisão, indicando quantidades ideais de cada mercadoria a adquirir, a frequência com que o estoque deve girar e as quantidades mínimas de produtos em estoque aceitáveis para que a empresa não perca vendas, por exemplo.

O machine learning é capaz até de prever como a mudança de preços dos insumos que você compra pode afetar nas vendas dos seus produtos, usando um cálculo chamado de regressão linear. Com isso, ele prevê a queda de demanda em seus pedidos e sugere novos parâmetros para o estoque, evitando que você venha a comprar mais matéria prima do que o necessário.

Imagine essa tecnologia aplicada ao setor agrícola: quando o preço da soja aumenta, por exemplo, a demanda diminui. Assim, o comerciante tem a possibilidade de ajustar a quantidade de soja comprada do produtor e evitar prejuízos. Agora replique para outros setores, como combustíveis ou imóveis. Não é genial?

Quer seguir aprendendo mais sobre as possibilidades do machine learning? Assina nossa newsletter!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami