Close

19 de dezembro de 2017

Avanço do Supply Chain depende de imersão mais profunda em Inteligência Artificial

Os avanços que percebemos em Supply Chain hoje são apenas a ponta do iceberg de tudo de positivo que ainda pode ser construído nesse segmento. A responsável pelo desenvolvimento das distribuições logísticas hoje, e também no futuro, é a Inteligência Artificial. No presente, já podemos nos beneficiar das vantagens desse recurso com previsões de demanda muito mais precisas, o que gera economia para as empresas e favorece um mercado mais justo e com menos desperdício.

A realidade, no entanto, é que a área de Supply Chain ainda tem um imenso horizonte de expansão e possibilidades ainda para o curto prazo. Alguns dos principais executivos dessa área, finalistas do Prêmio Inbrasc deste ano, falaram sobre algumas tendências que enxergam para daqui a cinco anos.

Entre elas, estão a possibilidade integrar o Supply Chain para toda a cadeia de valor, ou seja, buscar maior integração entre parceiros. Nesse sentido, as empresas podem pensar em cenários em que as alianças estratégicas possam ser construídas com maior facilidade, com mais sinergia, economia de preço no processo e economia de escala.

Sendo assim, não só as empresas como também o consumidor sairá beneficiado. Isso porque os avanços citados acima poderiam representar queda do preço final. Além disso, não estamos nos limitando mais a pensar em Supply Chain apenas como eficiência para previsão de demandas. O que se espera é que o consumidor demandará cada vez mais informações sobre a qualidade e origem daquilo que consome.

A tecnologia de ponta aplicada em Supply Chain deve permitir que o consumidor tenha fácil acesso a essas informações. Podemos ainda falar em modelos econômicos mais justos, se considerarmos a aplicação dessa tecnologia de ponta também para identificar práticas ilícitas dentro das cadeias de produção – como hoje acontece com várias empresas que exploram mão de obra escrava e não são identificadas. Por uma perspectiva mais humanista, uma cadeia de Supply Chain mais inteligente e desenvolvida poderá minimizar a ocorrência desse tipo de prática.

Como chegar a esse patamar?

Pensar em logística de uma forma tão abrangente é animador, mas é preciso delinear bem o que é preciso acontecer para que as prospecções não fiquem somente no campo das ideias. O grande motor para o avanço do Supply Chain nos próximos anos é a aplicação de Inteligência Artificial na base dos processos.

Recentemente, a consultoria Gartner publicou um relatório de tendências tecnológicas para 2018 e colocou a Inteligência Artificial como cerne dos processos estratégicos. Nesse sentido, as empresas precisam entender a importância de investir no conhecimento dos profissionais de tecnologia, a fim de que os mesmos possam desenvolver vantagens competitivas na aplicação de Inteligência Artificial em Supply Chain.

A Gartner aponta que um dos grandes desafios das empresas, pelo menos até 2020, será a criação de sistemas que sejam capazes de aprender e de se adaptar de forma autônoma. O grande foco aqui, é conseguir fazer isso com o mínimo de ruído possível, para que se aumente a confiança nesses sistemas para criar soluções para as empresas. Nesse sentido, gestão do negócio e Ciência de Dados precisam caminhar em parceria.

A consultoria prevê ainda o desenvolvimento mais robusto do Machine Learning. Se pensarmos sobre isso em termos de Supply Chain, a IA será responsável por antecipar de forma mais precisas os buracos na distribuição de mercadorias, as implementações para melhorar cada vez mais esses processos, bem como o entendimento mais preciso das demandas futuras. O campo de possibilidades é extenso. Aqueles que quiserem acompanhar essa evolução, precisam abraçar a Inteligência Artificial agora.

 


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bitnami